Giné-Bissau – História, Gastronomia e Cultura

Scroll down to content

A história da Guiné-Bissau pode ser rastreada até antes de sua descoberta, mas ainda não é clara, e isso se deve em grande parte à falta de pesquisas arqueológicas. Os primeiros habitantes da área foram os Felupes ou Diolas, os Manyakos, os Mankanhas, os Balantas, os Pals e os Naru. Um dos primeiros influenciadores da Guiné foi o Império do Mali, que foi fundado no século XIII e se desenvolveu do interior à costa da África Ocidental. Gabão é um dos reinos do Gabão, que se expandiu ao seu status de império e influenciou politicamente as áreas que fazem fronteira com o Senegal, Gâmbia e Guiné-Conacri. Devido às suas condições geográficas costeiras, ao tráfico de escravos e à influência portuguesa desde meados do século XV, a Guiné-Bissau também estabeleceu laços com Cabo Verde. Os portugueses chegaram à área em 1446 e estabeleceram-se em pequenas áreas arrendadas a vários reinos, mas designaram-na como o rio Guiné em Cabo Verde. Durante três séculos, a área foi uma colônia da Guiné Portuguesa.

Em 1951, a Guiné-Bissau mudou de estatuto e tornou-se uma província ultramarina de Portugal. Em 1956, o intelectual guineense Amílcar Cabral (Amílcar Cabral) e cinco outros apoiantes fundaram o Partido Independente Africano da Guiné e Cabo Verde no exílio em Conacri. Em 1963, face à teimosia de Portugal para a independência, com o apoio de outros países, o PAIGC lançou uma luta armada de guerrilha para acabar com o colonialismo português.

Em 1973, os guerrilheiros do PAIGC consolidaram o seu domínio sobre a região, mas no mesmo ano, Amílcar Cabral foi assassinado em Conacri e substituído pelo seu irmão Luís de Almeida Cabral.

A independência foi declarada unilateralmente em 24 de setembro de 1973, com o advento da Revolução dos Cravos em Portugal (1974). Em 10 de setembro de 1974, a Guiné-Bissau foi a primeira colônia portuguesa na África a reconhecer a independência e constituiu a República da Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau é rica em gastronomia, combinando a gastronomia portuguesa com a africana. A sua cozinha tradicional caracteriza-se por um sabor forte e picante, onde o limão e a pimenta são condimentos essenciais. O arroz é o principal alimento básico da alimentação, quando cozido é denominado bianda, que se soma à máfia, que é o nome dos molhos e caldos, geralmente feitos de peixe, mariscos, frango ou carne. Chabéu e óleo de palma são as gorduras vegetais da região. Em relação aos vegetais, a baguete, a candja (quiabo) e o djagato costumam ser usados ​​com o arroz.

Sua receita traz frutos do mar, e ostras são conhecidas como as maiores ostras do mundo. Os alimentos mais típicos da Guiné-Bissau são: Caldo de Mancala (sopa de amendoim), pudim de ferro (caldeirada, arroz e legumes). Os turistas podem experimentar a carne de macaco durante a viagem. Vamos então conferir alguns preparos da Giné Bissau?

Caldo de Macarra

Ingredientes

  • frango
  • cebola
  • limão
  • 250 gr. de mancarra (amendoim)
  • 3 tomates maduros
  • 1 dl de água
  • Sal
  • piri-piri

Preparação

  • Limpe o frango e corte aos bocados.
  • Tempere com sal piri-piri e cebola às rodelas.
  • Leve ao lume brando, com um pouco de água, para cozer (até ficar quase sem molho).
  • À parte, pise o amendoim num almofariz, o mais fino possível.
  • Misture os tomates até fazer uma pasta.
  • Deite então a água quente e mexa até desfazer bem.
  • Passe por um passador de rede, e adicione o caldo ao frango.
  • Ferva um pouco mais para apurar.
  • Ao retirar do lume, regue com sumo de limão

Pitche-Patche de Ostras

Ingredientes

  • 1 dl de óleo de amendoim
  • 1 kg de ostras
  • 3 tomates médios maduros
  • 70 grs de arroz carolino
  • 2 dentes de alho
  • 1 limão
  • 1 cebola grande
  • sal q.b.
  • piripiri q.b.

Preparação

  • Em primeiro lugar põe-se o arroz de molho em água fria durante 15 minutos.
  • Retira-se da água e põe-se num pano de cozinha e com o rolo da massa ou uma garrafa pisa-se para o partir.
  • Leve um tacho ao lume com o óleo, a cebola e dentes de alho picados. Junte o tomate limpo de peles e sementes a refogar.
  • Assim que a cebola amolecer junta-se o arroz partido e refoga-se mais um pouco.
  • Adiciona-se água suficiente para o caldo (+- 1 litro e meio de água) e a água das ostras coada por um pano fino, que antecipadamente abriu com uma faca própria.
  • Deixe levantar fervura e misture as ostras.
  • Depois das ostras cozidas retire o tacho do lume e regue com sumo de limão.
  • Sirva quente.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/

http://viajeguinebissau.blogspot.com/

https://www.gastronomias.com.pt/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: